Viagem para Polinésia Francesa e Bora Bora – parte aérea

Olá leitores, sejam bem vindos ao primeiro post com review de viagem. Se quiserem conhecer um pouco mais de nós, clique AQUI.

Hoje nós vamos falar sobre uma viagem incrível que fizemos e que é o sonho de muita gente (principalmente casais em lua de mel) : a Polinésia Francesa (que inclui as ilhas de Bora Bora e Moorea)! Vamos contar um pouco sobre nossa experiência, locais, preços, dicas e tudo o que sabemos para que vocês também façam uma viagem absolutamente incrível.

Essa primeira parte será apenas sobre a parte aérea entre São Paulo e Papeete, a ilha principal da Polinésia Francesa, mas em breve vamos falar sobre os voos entre as ilhas e como chegar e sair de Bora Bora, que é parada obrigatória na primeira viagem para a Polinésia.

PARTE AÉREA

Vou contar sobre nossa experiência saindo de SP. Quem sai de outras cidades terá uma experiência diferente até o Chile, mas a partir da conexão a viagem é a mesma.
Existem basicamente dois jeitos de chegar na Polinésia Francesa:
A primeira opção é voar até Santiago do Chile, que é um voo que dura aproximadamente 4:20h em um Airbus A320. Em Santiago, há necessidade de trocar de aeronave, indo para um  moderno Boeing 787-9. Na ida nosso tempo de conexão foi de 5h, então aproveitamos para almoçar no aeroporto com calma. De Santiago do Chile após voar por aproximadamente 5:30h há uma parada rápida na Ilha de Páscoa. Na ida nosso tempo na ilha foi de apenas 1:30h, sendo obrigatório descer do avião (mas não foi permitido sair do aeroporto). Partindo da ilha de Páscoa são mais 5:30h até o Tahiti (ou Taiti….rs) e finalmente chegada no aeroporto de Faaa (Papeete), na ilha principal da Polinésia. O tempo total de viagem fica entre 21h e 29h, dependendo dos horários dos vôos ( tivemos uma alteração no nosso voo que “economizou” 1h de viagem na volta). O ruim dessa opção é que a Latam só faz esse trecho Ilha de Páscoa-Tahiti uma vez por semana. Então a estadia na Polinésia tem que ser de 7 ou 14 dias (se for possível ficar 14 dias não há nada de ruim nesse detalhe)
A segunda opção são os voos até os Estados Unidos, e de lá, para a Polinésia ( aí existem várias opções, por isso não vamos ser tão precisos nos locais ). Normalmente os trechos incluem parada em Los Angeles e/ou Hawai, mas o tempo total de viagem sempre é maior que 30h, chegando facilmente a mais de 40h de viagem. Nesse caso um stop and go em uma das cidades seria interessante na ida, para chegar descansado no Tahiti. Para  quem quer ficar na faixa de 10 dias na Polinésia, só existe a opção pelos EUA. Lembrando que mesmo que você não faça o stop and go é necessário ter o visto americano válido.

Nós optamos pelo caminho Chile-Ilha de Páscoa-Papeete(Tahiti) porque ele tinha um tempo de viagem bem menor que indo pelos Estados Unidos. Para terem uma idéia, em nossas pesquisas o menor tempo que conseguimos para as datas da nossa viagem girava em torno de 39-44h de viagem pelos EUA e “apenas” 27h pelo Chile. É uma diferença considerável , e eu ainda colocaria a imigração americana e as regras de segurança/TSA como sendo mais um ponto a considerar ( além da necessidade do visto americano, é claro ).
Nós ficamos pesquisando durante algumas semanas os valores de passagens para esperar uma queda nos valores, mas de uma forma inesperada a agência da Tam Viagens do Shopping Morumbi conseguiu um preço muito mais baixo do que vimos em qualquer site, então acabamos fechando a passagem por lá.
Tivemos muito azar em pegar a troca de sistemas Tam/Latam (a fusão entre as duas ocasionou na mudança de todo o sistema de reservas) e por isso não conseguimos reservar os assentos de emergência. Nem na compra, no site ou checkin. Então tivemos que pegar um poltrona “na sorte”. O caminho SP-Chile é feito em um avião A320. Apesar da idade, é um avião ok. O espaço para pernas é pequeno mas suportável. O “porém” fica para a ausência de tela individual (nem coletiva tem. Só baixando o app de entretenimento da Latam). Já o caminho Chile-Tahiti é feito em um Dreamline 787-9 bem novo. Iluminação RGB na cabine, tela individual e uma boa seleção de filmes. É um avião silencioso e a classe econômica não é ruim (acaba sendo cansativo por conta das longas horas).
Para quem tem mais dias, disposição e dinheiro, dá para programar e descer no Chile ou na Ilha de Páscoa e ficar um ou dois dias para quebrar o ritmo da viagem, mas nesse caso tem que lembrar que o trecho Ilha de Páscoa – Tahiti só tem um voo por semana. A programação é muito importante.
O voo para o Tahiti é toda terça feira, então obriga os viajantes a ficarem uma ou duas semanas. Se quiser optar por 10 dias de viagem , por exemplo, aí tem que voar pelos Estados Unidos. Mais para frente vamos falar sobre quantos dias é legal ficar na Polinésia para ajudar na decisão. Nós optamos por duas semanas lá, o que permitiu fazer um roteiro mais tranquilo e otimizado.

Espero que tenham gostado um pouco das informações que compartilhamos e em breve vamos continuar falando sobre esse local mágico no meio do Pacífico.

Para quem vai viajar e quer comprar ou reservar algum assento sem dor de cabeça o site SeatGuru é uma ótima opção. Você visualiza o mapa dos assentos e reviews dos usuários.

DICA BÔNUS: Para quem vai viajar via Santiago do Chile e tem o LatamPass ou o Multiplus, se for categoria Gold você pode tentar o upgrade de cabine para o Premium Economy de forma gratuita. Como funciona: como cliente Gold você tem dois cupons de upgrade por ano, e o upgrade dentro da América do Sul “gasta” apenas um cupom  por pessoa. Então, após fazer o checkin online tem que entrar em “solicitação de upgrade cortesia” e preencher os dados, de forma simples. Até pouco antes do embarque eles enviam um email dizendo se conseguiu o upgrade grátis de cabine ou não. No nosso caso, eu não era Gold, mas ao fazer o clube Multiplus 5000 você ganha o status Gold e passa a ter os dois cupons. Conseguimos o upgrade apenas no voo de volta, entre Santiago e São Paulo, mas valeu  a pena. O cardápio é bem melhor e as opções de bebidas também, com Chivas Regal e bons vinhos. E como é de graça, fica mais interessante ainda.

Cabine Premium Economy e jantar (reparem que a cadeira do meio é vazia, então o espaço fica excelente)

Aeroporto do Chile – Santiago

Aeroporto da Ilha de Páscoa

Aeroporto de Faaa (Tahiti /Papeete)

Moeda

Lá eles usam o Franco Polinésio, mas nos hotéis dá para pagar com Euro ou Dólar.  Nós optamos por trocar um pouco de dinheiro quando chegamos no aeroporto de Papeete para fugir da conversão no hotel que normalmente é pior do que na casa de câmbio. Para entender o valor do Franco Polinésio (FP) a melhor coisa é esquecer os dois últimos algarismos e “ler” o número como dólar.

Exemplo: 5000 FP –> 50 dólares

Bem mais fácil que converter direto para Real ou Euro

Melhor época para visitar a Polinésia Francesa e Bora Bora

A Polinésia tem uma vantagem: não há grande variação de temperatura entre o inverno e o verão, por conta da localização próxima do trópico. Então a média de temperatura vai de 22 a 28 graus Celsius no inverno para 24 a 30 graus Celsius no verão. O que realmente muda é a quantidade de chuva: Entre Julho e Setembro é o período mais seco e de Novembro a Março a quantidade de chuva é maior e existe risco de tempestade (até furacão). A temperatura do mar segue essa média e também fica entre 22 e 26 graus, que é ideal para aproveitar !

 

Guto e Maclau

 

OBS: As marcas e empresas mencionadas no post são propriedade de seus respectivos donos/acionistas. Não recebemos nenhum tipo de incentivo das marcas para escrever, e nossas opiniões vem de experiência pessoal, que podem ser muito diferentes de outras pessoas. Também não temos como garantir que os valores aqui apresentados sejam os mesmos que o viajante vá encontrar.

É proibida a reprodução de qualquer parte sem expressa autorização dos autores

1 thought on “Viagem para Polinésia Francesa e Bora Bora – parte aérea

Deixe uma resposta